quinta-feira, 26 de julho de 2012

HOSPEDAGEM NO GRANDE HOTEL TERMAS E CONVENTION ARAXÁ - MG

História: Grande hotel Termas de Araxá-MG
Inicio das construções em 1938
Inauguração: 1944 com a presença do então presidente Getúlio Vargas e governador do estado de Minas Gerais Benedito Valadares.
Projeto arquitetônico do complexo: Luiz Aignorelli
Projeto Paisagístico e jardins: Roberto Burle Marx (pintor e paisagista)
Estilo Arquitetônico externo do Complexo: Estilo missões espanholas - mesmo estilo Colômbia e Venezuela. Dá um aspecto de que as paredes são revestidas com barro avermelhado, simbolizando simplicidade.
Estilo arquitetônico interno: Grande uso do neo-clássico, com exemplo de colunas, capitéis e arcos, seja em estilo dórico, jônico ou coríntio.


ÁREA EXTERNA:

O complexo foi construído dentro de uma área verde de 400.000m2, de fronte a um lago de água radioativa comum total de 1 milhão de metros cúbicos, em formato de coração.
A água radioativa jorra da Fonte Dona Beja, Local aonde a mitológica dama vinha fazer seus banhos ao ar livre. Do emanatório, a água é captada e conduzida às Duchas Cascata, possibilitando um banho de ducha revigorante.
Por nascer em uma mina de radônio, suas águas são chamadas de radioativas, cuja atividade atômica persiste por 4 dias após retirada da fonte. Suas águas são utilizadas nos banhos termais por proporcionarem um trabalho de ativação  intra-molecular.
Outra fonte encontrada dentro do parque é a Fonte de água sulfurosa Andrade Júnior. Também canalizada para utilização dos banhos termais, possibilita um trabalho extracorpóreo, ou seja, diretamente com a pele.
É facilmente detectada como sulfurosa por causa de seu odor forte, em virtude do enxofre.
É feito uso oral da água em pequenas doses pela manhã em jejum para limpeza e regulagem do intestino.
Junto à  fonte podem ser vistos fósseis de animais pré-históricos de milhares de aos. Os mesmos foram encontrados na área desta fonte, remontava a alimentação dos mamíferos antigos e atuais, já que o gado de fazendas vizinhas vinha naturalmente beber a água antes da construção do Grande Hotel.
O lago anexo é a forma natural da decantação da lama para banho. Ali ela se mistura com a água sulfurosa e descansa. Antes da construção do complexo, a área era chamada de Barreiro exatamente em razão desta água e lama estarem a céu aberto formando um grande pântano, possibilitando banhos públicos.
Próximo a uma das entradas do parque fica a Praça de Esportes. Nela podemos encontrar 5 quadras de tênis, quadra poliesportiva, vôlei de areia, peteca e uma piscina com 25 metros de comprimento (semi-olímpica) abastecida com água também radioativa. Ao lado desta se encontram outras duas menores para crianças.



Enfrente ao quiosque da Praça de Esportes pode-se encontrar outras atividades extras: Passeios de charrete, à cavalos, bicicletas e pedalinhos. 
Para quem gosta de caminhas, ao redor do lago pode-se encontrar diversas trilhas, uma delas podendo levá-los às Ruínas do Hotel Rádio e outros Mirantes. 


ÁREA INTERNA

O Grande Hotel foi construído em um período chamado nacionalista, encabeçado por então presidente Getúlio Vargas. Assim como outros presidentes de mesmo punho e tipo de pensamento - Hitler, Mussolini - tratou de cria obras grandiosas para mostrar ao mundo o valor e o conhecimento que o Brasil tem. 
Construindo coisas tão belas quanto outros países faziam. 
São 33.300 metros quadrados em área construída no Grande Hotel e 16.300 metros quadrados de áerea nas Termas. 
Sendo assim, pedrarias, cristaleria e vidraria eram detalhes suntuosos que vieram a dar mais valor ao complexo. 
Poderá ser notado que um ambiente é distinto de outro em razão de seus detalhes, sejam eles pelas cores, tipos de madeira, colunas, gravuras e iluminação.  Mas nunca esquecendo do equilíbrio e simetria. 
Simetria tamanha que a colocação do Grande Hotel em relação ao sol faz com que este seja uma enorme bússola, indicando o Leste e Oeste, Norte e Sul. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário